11 de ago de 2009

O FURTO DA FLOR

Carlos Drumond de Andrade
Furtei uma flor daquele jardim. O porteiro do edifício cochilava e eu furtei a flor. Trouxe-a para casa e coloquei-a no copo com água. Logo senti que ela não estava feliz.
 
O copo destina-se a beber, e flor não é para ser bebida. Passei-a para o vaso, e notei que ela me agradecia, revelando melhor sua delicada composição. Quantas novidades há numa flor, se a contemplarmos bem.
 
Sendo autor do furto, eu assumira a obrigação de conservá-la. Renovei a água do vaso, mas a flor empalidecia. Temi por sua vida. Ao adiantava restituí-la ao jardim. Nem apelar para o médico de flores. Eu a furtara, eu a via morrer.
Já murcha, e com a cor particular da morte, peguei-a docemente e fui depositá-la no jardim onde desabrochara. O porteiro estava atento e repreendeu-me:
_ Que idéia a sua, vir jogar lixo de sua casa neste jardim!
 
(Contos Plausíveis. RJ, José Olympio)
 
SUGESTÃO DE ATIVIDADES: INTERPRETAÇÃO:
1- Leitura oral
2- Dar os sinônimos de – furtar – restituir – contemplar;
3- Quais as personagens do texto?
4- Quando e onde o fato aconteceu?
5- O que aconteceu?
6- Numerar as linhas do textos e destacar equilíbrio, desequilíbrio e novamente equilíbrio;
7- Destacar do texto: situação – complicação – clímax – desfecho;
8- Comentar as atitudes do porteiro e de quem depositou a flor no jardim.
9- O autor do furto arrependeu-se? Exemplifique.
10- Qual a cor da morte?
11- Como uma flor demonstra sua felicidade?
12- De que forma uma flor pode agradecer?
13- Que novidades você pode encontrar numa flor?
 
IDENTIFIQUE PESSOA, TEMPO E MODO VERBAL:
1- Eu a furtara.
2- O porteiro estava atento e repreendeu-me.
3- Que idéia a sua de jogar lixo de sua casa neste jardim?
4- Passei-a para o vaso.
 
ANALISE AS FUNÇÕES SINTÁTICAS DAS PALAVRAS DESTACADAS:
1- Notei que ela me agradecia.
2- Passei-a para o vaso.
3- Ela não estava feliz.
4- O porteiro estava atento.
 
PRODUÇÃO DE TEXTO: 1- Transformar o texto numa história em quadrinhos:
 
 
 

Reflexões

A Estória do lápis

O menino olhava a avó escrevendo uma carta. A certa altura, perguntou:
- Você está escrevendo uma história que aconteceu conosco? E por acaso, é uma história sobre mim? A avó parou a carta, sorriu, e comentou com o neto:
- Estou escrevendo sobre você, é verdade. Entretanto, mais importante do que as palavras, é o lápis que estou usando. Gostaria que você fosse como ele, quando crescesse. O menino olhou para o lápis, intrigado, e não viu nada de especial.
- Mas ele é igual a todos os lápis que vi em minha vida!
- Tudo depende do modo como você olha as coisas. Há cinco qualidades nele que, se você conseguir mantê-las, será sempre uma pessoa em paz com o mundo.
"Primeira qualidade: você pode fazer grandes coisas, mas não deve esquecer nunca que existe uma Mão que guia seus passos. Esta mão nós chamamos de Deus, e Ele deve sempre conduzi-lo em direção à Sua vontade".
"Segunda qualidade: de vez em quando eu preciso parar o que estou escrevendo, e usar o apontador. Isso faz com que o lápis sofra um pouco, mas no final, ele está mais afiado. Portanto, saiba suportar algumas dores, porque elas o farão ser uma pessoa melhor."
"Terceira qualidade: o lápis sempre permite que usemos uma borracha para apagar aquilo que estava errado. Entenda que corrigir uma coisa que fizemos não é necessariamente algo mau, mas algo importante para nos manter no caminho da justiça".
"Quarta qualidade: o que realmente importa no lápis não é a madeira ou sua forma exterior, mas o grafite que está dentro. Portanto, sempre cuide daquilo que acontece dentro de você."
"Finalmente, a quinta qualidade do lápis: ele sempre deixa uma marca. Da mesma maneira, saiba que tudo que você fizer na vida irá deixar traços, e procure ser consciente de cada ação".
window.google_render_ad();